Calophyllum brasiliense (Guanandi)

Texto produzido pela Acadêmica Aline Angeli
Supervisão e orientação do Prof. Luiz Ernesto George Barrichelo e do Eng. Paulo Henrique Müller
Atualizado em 24/02/2006

O guanandi, durante o período regencial, tornou-se monopólio do Estado Brasileiro e, em 1835, passou a ser a primeira “Madeira de Lei” do país. Desde então, a intensa exploração quase o extinguiu. Atualmente, as populações de guanandi estão expostas à devastação, tanto pela extração ilegal de madeira, quanto pela pressão de ocupação nas áreas de ocorrência.

2. Taxonomia

Segundo o Sistema de classificação de Cronquist:
Família: Clusiaceae.
Espécie: Calophyllum brasiliense Cambessèdes.
Sinonímia botânica: Calophyllum antillanum Brit. Standl.; Calophyllum ellipticum Rusby; Calophyllum rekoi Standl.
Nomes vulgares: bálsamo-jacareúba, beleza, cedro-mangue, cedro-do-pântano, guanandi-amarelo, guanandi-carvalho, guanandi-poca, guanandi-cedro, guanandi-jaca, guanandi-landim, guanandi-lombriga, guanandi-piolho, guanandi-rosa, guanandi-vermelho, guanantim, guanandi-da-praia, guanandirana, gulanvin-carvalho, inglês, jacaríuba, jacareaba, jacareíba, jacareúba, landinho, lantim, landi-carvalho, landi, landim, lanfim, mangue, mangue-seco, olandi-carvalho, oanandí, oonandi, olandí, olandim, pau-de-maria, pau-de-azeite, pau-de-santa-maria, pau-sândalo, pindaíva, uá-iandi (fruta oleosa).

3. Aspectos ecológicos

O guanandi é uma espécie pertencente ao grupo sucessional secundária/intermediária tardia (Durigan & Nogueira, 1990), porém ocorrem guanandizais quase puros, em condições pioneiras, no litoral paranaense (Carvalho, 1996).

A espécie ocorre em todas as bacias brasileiras, sobretudo em planícies temporariamente inundadas. Observa-se, nessas condições, que mesmo submersas as sementes mantêm a viabilidade, bem como as plantas crescem normalmente em solo encharcado (Marques & Joly, 2000).

4. Descrição

Quando adulta, a árvore pode atingir até 20m de altura e diâmetro (DAP) entre 20 a 50 cm. Na região amazônica pode atingir 40 m de altura e 150 cm de DAP. Seu tronco é geralmente reto e cilíndrico, apresentando fuste de até 15 m de altura.

O guanandi é uma espécie de folhas perenes, com copa larga e arredondada, densa e de coloração verde-escuro.

A casca externa é marrom-escuro ou pardacenta, fissurada de alto a baixo, descamando em placas retangulares. A casca interna possui coloração rósea, é aromática, amargosa e ácida, exsudando látex amarelado e pegajoso.

As folhas são simples, opostas, elípticas, coriáceas e apresentam dimensões de 5 a 15 cm de comprimento por 3 a 7 cm de largura, com nervuras laterais abundantes, próximas e paralelas. O pecíolo é verde-escuro, lustroso, espesso e mede até 2 cm de comprimento.

O guanandi possui flores masculinas e hermafroditas na mesma planta, brancas, reunidas em racemos axilares ou panículas de 2,5 a 6 cm.

Os frutos são do tipo drupa globosa, indeiscentes, carnosos, com pericarpo verde lactescentes quando maduros, apresentando dimensões de 19 a 30 mm de diâmetro. A polpa é oleaginosa, envolvendo uma semente, que é globosa e de coloração castanha (Carvalho, 1994).

5. Informações sobre reprodução e fenologia

O guanandi é uma planta hermafrodita, cuja polinização é feita principalmente por abelhas e diversos insetos pequenos (Carvalho, 1994).

A dispersão do guanandi é muito variada, podendo ocorrer por zoocoria, hidrocoria e autocoria. A dispersão zoocórica é promovida especialmente por morcegos frugíveros, veados e tucanos. A dispersão hidrocórica ocorre em função da localização freqüente da espécie junto aos cursos d’água, mas a dispersão a longas distâncias pode ficar comprometida pela estagnação da água de inundação. Ressalta-se que as sementes não germinam enquanto estão submersas, mas permanecem viáveis e flutuam (Lobo et al., 1995). Por fim, a dispersão autocórica ocorre por gravidade, fazendo com que os frutos caiam diretamente no solo (Ribeiro et al.,1995).

A reprodução se inicia três anos após o plantio em solos férteis e bem drenados, mas, em regeneração natural, esse processo ocorre por volta dos dez anos de idade. A floração e frutificação do guanandi são bastante variáveis em conseqüência da abrangente área de ocorrência. No Distrito Federal floresce de setembro a outubro; em São Paulo, de novembro a junho; na Paraíba, em dezembro e no Paraná, de janeiro a março. A frutificação, no Estado de São Paulo, ocorre entre abril e outubro (Carvalho, 1994).

6. Ocorrência natural

Calophyllum brasiliense ocorre naturalmente entre as latitudes 18º N (Porto Rico) e 28º 10’ S (Brasil), em altitudes de 5 a 1.200 metros.

7. Clima

O guanandi ocorre sob os tipos climáticos subtropical úmido, subtropical de altitude e tropical. A precipitação anual média é de 1.100mm (São Paulo) a 3.000mm (Pará), sendo que no litoral da Bahia até Santa Catarina, região de Belém-PA e noroeste do Amazonas as chuvas são uniformemente distribuídas ao longo do ano e, nas demais regiões, são periódicas e concentradas no verão. Tolera estação seca de até três meses, com déficit hídrico moderado (região Centro-Oeste).

Essa espécie desenvolve-se bem em temperatura média anual de 18,1ºC (Minas Gerais) a 26,7ºC (Pará e Amazonas). Segundo Carvalho (1994), a espécie suporta geadas, desde que em baixa freqüência (máximo de uma por ano).

8. Solo

O guanandi ocorre em solos aluviais com drenagem deficiente, periodicamente inundáveis e brejosos, e com textura variando de arenosa a franca.

A Embrapa Florestas realizou experimentos com plantio de guanandi em solo bem drenado, de fertilidade média a alta, textura franca a argilosa e, nessas condições, a espécie têm apresentado crescimento satisfatório.

9. Sementes

Para obtenção de sementes, colhem-se os frutos no solo, quando estes já estão totalmente ou parcialmente despolpados por morcegos.
A semente é extraída por maceração, retirando-se epicarpo e mesocarpo, permanecendo o endocarpo aderido à testa (Marques & Joly, 2000). Lorenzi (1992), sugere a utilização direta do fruto como semente, sem despolpá-lo.

Cada quilograma de frutos contém cerca de 160 sementes (Lorenzi, 1992).

As sementes de guanandi apresentam dormência tegumentar, que pode ser superada por escarificação mecânica ou estratificação em areia úmida por 60 dias. Sem aplicação de tratamentos para superação de dormência, a germinação pode demorar até seis meses (Carvalho, 1994).

10. Produção de mudas

A produção de mudas pode ser feita em viveiro, semeando-se uma semente em sacos de polietileno com dimensões de 20 cm de altura e 7 cm de diâmetro ou em tubetes grandes de polipropileno. A germinação pode ocorrer em até 145 dias após a semeadura, e a taxa de germinação é bastante variável (15 a 95%). As mudas ficam prontas para o plantio em campo após dois meses.

Em Porto Rico, a semeadura é realizada diretamente no campo, com taxas de germinação próximas a 100% (Flinta, 1960).

Aconselha-se, na fase de viveiro, utilizar sombreamento de 50% de intensidade luminosa.

11. Aspectos silviculturais

Calophyllum brasiliense é uma espécie florestal esciófila, que se regenera abundantemente à sombra, portanto necessita de sombreamento de intensidade média na fase juvenil (Lopez et al., 1987).

O crescimento do guanandi é monopodial, característica que proporciona fustes bem definidos. Os galhos são finos, mas a desrama natural é fraca, sendo necessárias as podas (Carvalho, 1994).

Os métodos de regeneração para os povoamentos de guanandi comumente utilizados são plantios puros a pleno sol ou em plantios mistos, associados às espécies pioneiras. Pode-se também utilizar plantios em faixas na vegetação matricial arbórea.

Outra característica importante para a silvicultura dessa espécie é a capacidade de brotação a partir da touça após o corte.

O ciclo de corte é de aproximadamente 18 anos, mas a primeira receita é obtida aos 10 anos, proveniente do desbaste (www.reflorestar.com.br).

12. Crescimento e produção

O guanandi é uma espécie de crescimento lento a moderado. Em Manaus-AM, apresentou incremento médio anual de 8,40 m³/ha/ano, aos nove anos de idade (Schimidt & Volpato, 1972).

13. Pragas e doenças

Não há registros sobre ataques significativos de pragas e doenças a essa espécie.

14. A madeira

A madeira de guanandi possui massa específica aparente entre 0,62 e 0,79g/cm³, a 15% de umidade e densidade básica entre 0,49 a 0,51 g/cm³. Trata-se, portanto, de uma madeira moderadamente densa (Jankowsky et al., 1990).

O alburno possui coloração bege-rosado. O cerne pode é bege-rosado a róseo-acastanhado. De modo geral, esta madeira apresenta superfície lustrosa e áspera, textura fina e grã geralmente irregular(Carvalho, 1994).

A durabilidade natural dessa madeira é moderada a alta para as podridões branca e marrom, considerada imputrescível dentro da água.
Apresenta baixa permeabilidade aos tratamentos preservativos em função de possuir os poros parcialmente preenchidos por óleo-resina (Benitez Ramos & Montesinos Lagos, 1988).

15. Usos e preço da madeira

A madeira de guanandi pode ser usada para fabricação de móveis, construção civil, construção naval, parquete, marcenaria, mourões, laminados decorativos, fabricação de barris de vinho, entre outros (Lorenzi, 1992; Carvalho, 1994).

A madeira de guanandi está sendo comercializada por aproximadamente R$ 2.000,00/m³ (http://www.fazendasfloresta.com.br, cotação realizada no ano de 2005).

16. Outros usos

Além da produção de madeira, o guanandi é indicado para obtenção de resina com propriedades medicinais (uso veterinário), taninos (casca e folhas), óleo essencial (fruto) e saponina (folhas) (Carvalho, 1994).

A árvore pode ser utilizada em projetos paisagísticos de parques e praças, bem como em reflorestamento para recuperação ambiental, especialmente em áreas de solo encharcado (Lorenzi, 1992).

17. Referências bibliográficas

BENITEZ RAMOS, R.F.; MONTESINOS LAGOS, J.L. “Catalogo de ciem especies forestales de Honduras: distribución, propriedades y usos”. Siguatepeque: Escuela Nacional de Ciencias Forestales, 1988. 200p.

CARVALHO, P. E. R. “Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira” / Paulo Ernani Ramalho Carvalho; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária; Centro Nacional de Pesquisa de Florestas – Colombo: EMBRAPA – CNPF; Brasília: EMBRAPA – SPI, 1994. 640p. : il.color (35p. com 140 fot.), 4 mapas.

CARVALHO, P.E.R. “Influência da intensidade luminosa e do substrato no crescimento, no conteúdo de clorofila e na fotossíntese de Cabralea canjerana (Vell.) Mart. subsp. canjerana, Calophyllum brasiliense Camb. e Centrolobium robustum (Vell.) Mart. ex Benth., na fase juvenil”. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 1996. 157p. Tese Doutorado.

DURIGAN, G.; NOGUEIRA, J.C.B. “Recomposição de matas ciliares”. São Paulo: Instituto Florestal, 1990. 14p. (IF. Série Registros, 4).

FLINTA, C.M. “Practicas de plantacion forestal en America Latina”. Roma: FAO, 1960. 498p. (FAO: Cuadernos de Fomento Forestal, 15).

JANKOWSKY, I.P.; CHIMELO, J.P.; CAVANCANTE, A. de A.; GALINA, I.C.M.; NAGAMURA, J.C.S. “Madeiras brasileiras”. Caxias do Sul: Spectrum, 1990. 172p.

LOBO, P.C.; MARQUES, M.C.M.; LIEBERG, S.; JOLY, C.A. “Projeto Jacaré-Pepira. III. Aspectos sobre a germinação e o estabelecimento de plantas de três espécies ocorrentes na Bacia do rio Jacaré-Pepira, Brotas,SP”. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 46., 1995, Ribeirão Preto. Resumos. Ribeirão Preto: FFCLRP / Universidade de São Paulo, 1995. p.320.

LOPEZ, J.A.; LITTLE JUNIOR, E.L.: RITZ, G.F.; ROMBOLD, J.S.; HAHN, W.J. “Arboles comunes del Paraguay: ñande yvyra mata kuera”. Washington: Cuerpo de Paz, 1987. 425p.

LORENZI, H. “Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil”. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 352p.

MARQUES, M.C.M.; JOLY, C.A. “Germinação e crescimento de Calophyllum brasiliense (Clusiaceae), uma espécie típica de florestas inundadas”. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v.14, n.1, p.113-120, 2000.

RIBEIRO, K.T.; MORAES, L.F.D.; SCARANO, F.R. “Germinação e estabelecimento de Calophyllum brasiliense Camb. em terreno irregular de floresta Atlântica inundável”. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 46., 1995, Ribeirão Preto. Resumos. Ribeirão Preto: FFCLRP / Universidade de São Paulo, 1995. p.165.

18. Sites consultados

http://www.fazendasfloresta.com.br
http://www.reflorestar.com.br
http://revistagloborural.globo.com
http://www.udr.org.br/




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.