Informações sobre Algumas Espécies de Eucalyptus

FERREIRA, M. Escolha de Espécies de Eucalipto. Circular Técnica IPEF, v.47, p.1-30, 1979

Eucalyptus camaldulensis Dehn
Eucalyptus citriodora Hook
Eucalyptus grandis Hill ex Maiden
Eucalyptus pellita F. Muell
Eucalyptus pilularis Sm
Eucalyptus robusta Sm
Eucalyptus saligna Sm
Eucalyptus tereticornis Sm
Eucalyptus urophyllaS.T. Blake
Eucalyptus viminalisLabill
Eucalyptus torellianaF. Muell
Eucalyptus resinifera Sm
Eucalyptus punctata DC
Eucalyptus propinqua Deane & Maiden
Eucalyptus paniculata Sm
Eucalyptus microcorys F. Muell
Eucalyptus maidenii F. Muell
Eucalyptus maculata Hook
Eucalyptus dunnii Maiden
Eucalyptus cloeziana F. Muell
Eucalyptus botryoides Sm

Eucalyptus camaldulensis Dehn

Esta espécie ocorre praticamente em todos os Estados Australianos, Exceto na Tasmânia. As áreas principais de ocorrência estão situadas entre as latitudes de 15,5º à 38 ºs, nas altitudes variando desde 30 a 600 m. Caracteriza-se por ser uma espécie que predominantemente ocorre margeando rios. A precipitação pluviométrica média anual varia de 250 a 625 mm, as chuvas concentrando-se no inverno ou no verão.

A temperatura média das máximas do mês mais quente situa-se entre 29 a 35ºC, enquanto que média das mínimas do mês mais frio situa-se de 11 a 20ºC.

O período seco varia de 4 a 8 meses ou mais. Nas regiões tropicais não ocorrem geadas, enquanto que ao sul da zona de ocorrência podem ocorrer 50 dias/ano. Na Austrália a madeira é muito utilizada para serraria, dormentes e carvão.

Considera-se o E. camaldulensis uma das espécies mais adequadas para zonas críticas de reflorestamento, onde as deficiências hídricas e problemas ligados ao solo, sejam fatores limitantes para outras espécies. Nos países em que a espécie foi introduzida com sucesso, as conclusões básica foram:

  • Boa adaptação em regiões caracterizadas por solos pobres e prolongada estação seca.
  • Tolerância a inundações periódicas.
  • Moderada resistência a geadas.
  • As árvores no geral são mais tortuosas do que E. grandis, E. saligna e E. propinqua.
  • Produz madeira mais densa com cerne bem diferenciado e mais colorido do que E. grandis e E. saligna.
  • Regenera muito bem através das brotações de cepas.
  • Nos estudos efetuados em São Paulo a espécie demonstrou ser útil para serraria, postes, dormentes , mourões, lenha e carvão. Para celulose e papel não é muito aceita.

    Eucalyptus citriodora Hook   

    Ocorre nas regiões norte e centro de Queensland. As áreas de maior concentração estão situadas entre as latitudes de 15,5 e 25º S em altitudes compreendidas entre 80 a 800 m . A precipitação pluviométrica média anual varia de 625 a 1.000 mm . Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 29 a 35ºC, temperatura média das mínimas do mês mais frio entre 5 a 10ºC. Período de seca variando de 5 a 7 meses, envolvendo a época mais quente do ano. Praticamente não ocorrem geadas na zona de ocorrência natural. A madeira é muito utilizada para: construções , estruturas , caixotaria , postes , dormentes , mourões , lenha e carvão.

    No Estado de São Paulo a espécie apresenta susceptibilidade à geadas, boa resistência à deficiências hídrica. Em solos pobres pode haver alta incidência de bifurcações ligadas a deficiências nutricionais (principalmente boro) ; regenera-se muito bem por brotações das cepas.

    Em função das característica básicas da espécie e dos resultados obtidos em São Paulo , deve-se sempre considerar as geadas severas como fator limitante.

    Eucalyptus grandis Hill ex Maiden   

    Ocorre naturalmente na Austrália, ao norte do estado de New South Wales, ao sul de Queensland ( próximo a região costeira e na parte central) , e ao norte de Queensland em áreas de altitude (300 a 900 m) . A precipitação pluviométrica varia de 1.000 a 1.700 mm, predominantemente no verão. Estação seca não ultrapassando 3 meses. Geadas ocasionais nas regiões mais interiores da área de ocorrência natural. Temperatura média das máximas do mês mais quente compreendida entre 29 a 32ºC, e a média das mínimas do mês mais frio entre 5 a 6ºC.

    A madeira de E. grandis é leve e fácil de ser trabalhada. Utilizada intensivamente, na Austrália e na república Sul Africana, como madeira de construção , quando oriunda de plantações de ciclo longo. A madeira produzida em ciclos curtos é utilizada para caixotaria. Normalmente a madeira oriunda de árvores com rápido crescimento, apresenta problemas de empenamento, contrações e rachaduras quando do desdôbro. Plantações, convenientemente manejadas, podem produzir madeira excelente para serraria e laminação. É a principal fonte de matéria prima para celulose e papel do Estado de São Paulo.

    Em algumas áreas poderá haver incidência do cancro do eucalpto (fungo Dia porthe cubensis Bruner) . Atribui-se, essa incidência, á intensidade da deficiência hídrica nas áreas em questão.

    Eucalyptus pellita F. Muell   

    Na Austrália ocorre em duas regiões distintas:

  • Região A - entre as latitudes de 12 a 18o S.
  • Região B - entre 27 a 36ºS.
  • Em relação as altitudes podem variar desde o nível do mar até 800 m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 900 a 2.400 mm. As chuvas distribuem-se uniformemente durante o ano ou são concentradas no verão, não havendo um período seco severo. Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 24 a 33ºC, e das mínimas do mês mais frio 12 a 16ºC. As geadas são raras na Região B e inexistentes na Região A.

    A madeira é muito utilizada para construções e estruturas. Em nossas condições há necessidade de estudos mais detalhados para se determinar a viabilidade de outras utilizações.

    Acredita-se que a espécie foi introduzida em São Paulo, com sementes oriundas da região B, por essa razão os resultados obtidos na experimentação e nas plantações piloto, não foram tão animadores. Em testes avaliados até o momento permitem considerar a espécie como altamente potencial para as regiões onde não ocorram geadas severas.

    Eucalyptus pilularis Sm   

    Ocorre naturalmente em New South Wales nas planícies litorâneas, e nas zonas montanhosas próximas ao litoral , estendendo-se sua ocorrência até ao sul de Queensland. Essa área situa-se entre as latitudes de 25ºS a 37,5ºS. As altitudes variam desde o nível do mar até 700m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 1.000 a 1.500 mm. A distribuição das chuvas é do tipo uniforme durante o ano ou concentradas no verão. Nas áreas onde as chuvas concentram-se no verão, o período de seca pode ter a duração de 3 a 4 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 29 a 32ºC, e das mínimas do mês mais frio entre 5 a 6ºC. As geadas ocorrem numa intensidade de 5 a 15 dias/ano.

    A espécie, em sua zona de ocorrência , apresenta crescimento rápido e madeira com qualidade adequadas para : laminação, móveis, construções, dormentes, postes, moirões, escoras e caixotaria. Poderá ser potencial para produção de celulose e papel. Em nossas condições a espécie apresenta suceptibilidade à geadas e às deficiências hídricas severas. É tolerante ao fogo mais apresenta baixa capacidade de regeneração por brotação.

    Eucalyptus robusta Sm   

    Ocorre naturalmente no litoral de New South Wales e no sul de Queensland . Essa área situa-se entre as latitudes de 23 a 36ºS. Em relação a altitude a espécie ocorre, predominantemente, ao nível do mar. A precipitação pluviométrica média anual varia de 1.000 a 1.500mm, concentrando-se no verão. O período de seca não ultrapassa 4 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 30 a 32ºC e das mínimas do mês mais frio 3 a 5ºC . Durante o inverno podem ocorrer geadas na intensidade de 5 a 10 dias / ano.

    A madeira pode ser utilizada para: serraria, laminação, postes, dormentes e mourões. Embora tenha na Austrália ocorrência restrita ao litoral, nas introduções realizadas fora da sua zona natural, vem apresentando alta plasticidade, podendo ser recomendada para ocupação de solos hidromórficos, ou francamente arenosos em diferentes altitudes. A espécie possue alta capacidade de regeneração por brotação das cepas, como demonstram os estudos, em que um plantio piloto de 10.458 árvores, apresentou aos 29 anos de idade, após 3 cortes rasos sucessivos, 94,64% de brotação das cepas.

    Eucalyptus saligna Sm   

    Ocorre geralmente na região litorânea e nos vales das cadeias montanhosas próximas ao litoral de New South Wales, e ao sul de Queensland. A distribuição natural da espécie situa-se entre as latitudes de 28 a 35ºS, em altitudes desde o nível do mar até 1.000 m . A precipitação pluviométrica anual situa-se entre 800 a 1.200mm, chuvas uniformemente distribuídas durante o ano, ou concentradas no verão. A estação seca não ultrapassa 4 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 28 a 30ºC e das mínimas do mês mais frio entre 3 a 4ºC. As geadas ocorrem numa intensidade de 5 a 10 dias/ano.

    A madeira é indicada para uso generalizados. Freqüentemente a espécie é confundida com E. grandis em função das afinidades existentes entre elas. Em nosso Estado o E.saligna oriundo da Austrália, Mairinque ou Itatinga, produz madeira de maior densidade quando comparada ao E .grandis , e apresenta menor suceptibilidade à deficiência de Boro. Identicamente ao E.grandis, em áreas onde a deficiência hídrica seja severa, poderá ser atacada pelo cancro do eucalypto.

    As características da madeira a tornam indicada para: laminação, móveis, estruturas, caixotaria, postes, escoras, mourões, celulose e carvão. Apresenta suceptibilidade às geadas severas, tolera fogo baixo, e tem alta capacidade de regeneração por brotação das cepas.

    Em função do sucesso alcançado com a espécie no Estado de São Paulo, ela é recomendada para todas as regiões, com restrições a locais onde ocorram geadas ou deficiências hídricas severas.

    Eucalyptus tereticornis Sm   

    Espécie amplamente distribuída na Austrália. A zona de ocorrência natural compreende os Estados de Queensland, New South Wales, Victoria atingindo até Papua - Nova Guiné. Tão vasta área esta situada entre as latitudes de 6 a 38ºS, as altitudes que podem variar desde o nível do mar até 1.000m no continente australiano. Em Papua - Nova Guiné pode ocorrer a 2.000 m de altitude. Precipitação pluviométrica média anual compreendida entre 500 a 1.500 mm. As chuvas poderão ser predominantes no verão ou no inverno. O período seco pôde atingir até 7 meses. A temperatura média das máximas do mês mais quente em torno de 22 a 32ºC, e das mínimas do mês mais frio entre 2 a 12ºC. Em relação às geadas podem não ocorrer ou ocorrer numa intensidade de 1 a 15 dias/ano.

    A madeira é intensamente utilizada para serraria, estruturas, construções, postes, mourões e carvão. O E. teriticornis e o E. camaldulensis são as espécies mais importantes para o reflorestamento em zonas tipicamente tropicais da África, e começam a despontar como potenciais para o Brasil.

    Em todos os estudos efetuados a espécie vem revelando boa resistência à pragas, doenças e à deficiências hídricas , boa capacidade de regeneração por brotação das cepas e tolerância ao fogo rasteiro . O E. tereticornis poderá ser recomendado para plantio em todas as regiões, executando as áreas onde ocorram geadas intensas.

    Eucalyptus urophylla S.T. Blake   

    Sua área de ocorrência natural situa-se em Timor e outras ilhas a leste do arquipélago Indonesiano, entre as latitudes de 8 a 10º e altitudes de 400 a 3.000 m. Precipitação pluviométrica média anual compreendida entre 1.000 a 1.500 mm concentrada no verão. Período seco não ultrapassa 4 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente em torno de 29ºC, e das mínimas do mês mais frio entre 8 a 12ºC. As geadas podem ocorrer nas zonas de maior altitude.

    Na área de ocorrência natural a madeira é utilizada para construções e estruturas que demandem alta resistência. Em nosso meio a madeira é para utilização geral.

    Eucalyptus viminalis Labill   

    Ocorre naturalmente nos Estados de New South Wales, Victoria e Tasmânia, entre as latitudes de 28 a 43,5ºS. As altitudes podem variar desde o nível do mar até 1.500 m. Aprecipitação pluviométrica média anual varia de 625 a 1.400 mm, predominantemente no inverno ou no verão. A média das temperaturas máximas do mês mais quente não ultrapassa 21ºC, enquanto que a média das mínimas do mês mais frio varia de 1 a 4ºC. Podem ocorrer geadas na intensidade de 5 a 60 dias/ano.

    A madeira pode ser utilizada para caixotaria, escoras de construção, mourões e lenha. Para celulose e papel há necessidade de estudos mais detalhados. A espécie é altamente resistente à geadas, susceptível à deficiências hídricas e apresenta boa capacidade de regeneração por brotações das cepas. Pelas características acima relatadas o é altamente potencial para a região onde ocorrem geadas severas.

    Eucalyptus torelliana F. Muell   

    Ocorre geralmente em Queensland, na região de Atherton, entre as latitudes de 16 a 19ºS e altitudes de 100 a 800 m. A precipitação pluviométrica média anual situa-se em torno de 1.000 a 1.500 mm, Concentrando-se predominantemente no verão . O período seco não ultrapassa 3 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente em torno de 29º e das mínimas do mês mais frio entre 10 a 16º. Praticamente não ocorrem geadas.

    É uma das poucas espécies do gênero, que ocorre associada a floresta tropical. Aparentemente necessita de solos férteis e com boa drenagem. A madeira é muito semelhante a do E. citridora e do E. grandis.

    Eucalyptus resinifera Sm   

    Tem sua área de ocorrência natural localizada no litoral e cadeias montanhosas litorâneas do norte de New South Wales, e ao sul de Queensland. Essa área situa-se entre as latitudes 17 a 34ºS, em altitudes variando desde o nível do mar até 600 m. Precipitação pluviométrica média anual entre 1.350 a 1.500mm, chuvas predominantes no verão. Estação seca não ultrapassando 4 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 27 a 32ºC, e das mínimas do mês mais frio entre 4 a 5ºC.

    É uma das mais importantes espécies da Austrália podendo ser a sua madeira utilizada para serraria, construções, móveis, caixotaria, dormentes, postes e mourões. É susceptível à geadas e à deficiência hídrica severa, tolerante a fogo e regenera-se bem por brotação das cepas.

    Eucalyptus punctata DC   

    Ocorre naturalmente na região central, no litoral e serras litorâneas de New South Wales. Essa área situa-se entre as latitudes de 32 a 35ºS. As latitudes estão compreendidas entre o nível do mar a 1.000 m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 625 a 1.250 mm. O regime de chuvas é caracterizado por uma uniforme distribuição durante o ano, ou por chuvas concentradas no verão. A estação seca tem uma duração média de 4 meses. Temperatura média de 4 meses das máximas do mês mais quente entre 27 a 32ºC, e das mínimas do mês mais frio entre 4 a 5ºC. As geadas ocorrem numa intensidade de 1 a 10 dias/ano.

    A madeira é altamente recomendável para serraria, estruturas, postes e dormentes. Regenera-se bem por brotação das cepas.

    Eucalyptus propinqua Deane & Maiden   

    Ocorre geralmente ao norte de New South Wales e ao sul de Queensland, em zonas de altitudes próximas ao Litoral. Essa área está compreendida entre as latitudes 24 a 33ºS. As altitudes variam desde o nível do mar até 350 m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 875 a 1.400 mm, concentrando-se basicamente no verão. O período seco tem duração máxima de 4 meses.

    Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 27 a 33ºC, e das mínimas do mês mais frio entre 4 a 10ºC. As geadas podem ocorrer numa intensidade de 1 a 10 dias/ano.

    A madeira é altamente recomendável para serraria, estruturas, postes, dormentes, e mourões. A espécie apresenta boa capacidade de regeneração por brotação das cepas. O plantio não é recomendado para regiões onde ocorram geadas.

    Eucalyptus paniculata Sm   

    Ocorre no litoral de New South Wales, entre as latitudes de 30 a 36,5ºS, altitudes desde o nível do mar até 500m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 825 a 1500mm. Chuvas predominantes no verão, estação seca variando de 4 a 6 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente entre 24 a 29ºC, e das mínimas do mês mais frio entre 2 a 5ºC. No inverno ocorrem geadas pouco intensas.

    A madeira é muito utilizada para dormentes, pontes, postes, mourões, carvão e escoras. Caracteriza-se por sua alta densidade e durabilidade.

    Nas introduções feitas fora da Austrália revelou ser susceptível à geadas, moderadamente susceptível a seca, tolerante ao fogo rasteiro, boa capacidade de regeneração por brotação das cepas.

    Eucalyptus microcorys F. Muell   

    Ocorre ao norte de New South Wales e ao sul de Queensland, nas latitudes compreendidas entre 25 a 32,5ºS, e altitudes desde o nível do mar até 800m. A precipitação média anual varia de 900 a 1.500 mm. As chuvas concentram-se no verão e a estação seca não ultrapassa 3 meses. Temperatura média das máximas do mês mais quente em torno de 32ºC, e das mínimas do mês mais frio 5ºC. As geadas ocorrem numa intensidade de 10 a 30 dias/ano.

    A madeira apresenta boas características para laminação, móveis, construções, postes, dormentes, moirões, escoras para construções e caixotaria. A espécie é moderadamente resistente às geadas, susceptível à deficiência hídricas severas e tolerantes ao fogo. Apresenta boa capacidade de regeneração através da brotação das cepas.

    É uma das espécies que vem recebendo atenção especial pelas entidades florestais australianas, em função do seu aproveitamento para serraria. Restrições onde ocorram geadas severas e onde ocorram deficiências hídricas severas.

    Eucalyptus maidenii F. Muell   

    Ocorre geralmente nas zonas de altitude no sul de New South Wales e no nordeste de Victoria, entre as latitudes de 34 a 39ºS e altitudes de 230 a 915m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 750 a 1.250 mm. As chuvas são uniformemente distribuídas durante o ano ou concentradas no inverno. Temperatura média das máximas do mês mais frio em torno de 5ºC. As geadas ocorrem numa intensidade de 20 a 120 dias/ano.

    A madeira pode ser utilizada para serraria, escoras, postes e mourões. Para celulose e papel há necessidade de melhores estudos. É uma espécie resistente à geadas, susceptível à deficiências hídricas severas e ao fogo. Apresenta boa capacidade de regeneração por brotação das cepas.

    Eucalyptus maculata Hook   

    Ocorre na Austrália, no litoral e no interior do Estado de Queensland, e no litoral de New Soth Wales, entre as latitudes de 25 a 37ºS, nas altitudes desde o nível do mar até 800 m. A precipitação média anual nessas áreas varia de 625 a 1.250 mm. A distribuição das chuvas pode ser uniforme durante o ano, ou concentradas no verão. Nas regiões onde as chuvas concentram-se no verão o período de seca varia no sentido sul para o norte, podendo situar-se no intervalo de 3 a 6 meses. Em toda a área de ocorrência as geadas são pouco freqüentes. A temperatura média das máximas do mês mais quente situa-se entre 22 a 35º C, e a média das mínimas do mês mais frio entre 2 a 5ºC.

    A madeira apresenta boas características para utilização em laminação, marcenaria, construções, dormentes, postes, moirões e caixotaria. A espécie regenera-se bem por brotação das cepas, é moderadamente susceptível à geadas, secas pronunciadas, e ao fogo.

    Recomenda-se a espécie para altitudes inferiores a 1.600 m.

    Eucalyptus dunnii Maiden   

    Ocorrência restrita na região nordeste de New South Wales e sudeste de Queensland, entre as latitudes de 28 a 30ºC e altitudes de 150 a 800 m. Precipitação pluviométrica média anual variando de 800 a 1.500 mm, chuvas concentradas no verão. Temperatura média das máximas do mês mais quente compreendida entre 27 a 29º C, e a média das mínimas do mês mais frio em torno de 8ºC . O período de seca não ultrapassa a 3 meses geralmente no inverno. Na área de ocorrência natural ocorrem poucas geadas com baixa intensidade. É uma das espécies com maior crescimento na Austrália.

    A madeira é muito semelhante a do E. grandis, podendo ter as mesmas utilizações. Os primeiros estudos visando seu aproveitamento para celulose e papel, são altamente animadores. As maiores restrições à espécie são a inexistência de produção de sementes em nosso meio, e a impossibilidade de importação de sementes em quantidades suficientes. Existindo possibilidade da produção de sementes ou mudas, a espécie poderá ser potencial para todas as regiões bioclimáticas do Estado.

    Eucalyptus cloeziana F. Muell   

    Ocorre geralmente nas regiões central e norte do Estado de Queensland. Caracteriza-se por não ocorrer em populações contínuas, mas sim de forma esparsa. A área de distribuição está compreendida entre as latitudes de 60 s 900 m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 1.000 a 1.600 mm, concentrando-se no verão. A temperatura média das máximas do mês mais quente, situa-se em torno de 29ºC, e a média das mínimas do mês mais frio, entre 8 a 12ºC. O período de seca não ultrapassa 3 a 4 meses. As geadas são raras e pouco severas. A madeira produzida pela espécie é de alta densidade, durável e com ampla utilização.

    As plantações estabelecidas fora da Austrália tem como finalidades principais: serraria, postes, escoras, estruturas, dormentes, etc. Vem sendo considerada a melhor espécie para postes.

    Tratando de uma espécie oriunda de zonas predominantes tropicais, ela é susceptível à geadas e não se adapta bem em regiões com deficiência hídrica severa. Aparentemente é susceptível a fogo rasteiro. Apresenta baixa capacidade por brotação de cepas.

    Aparentemente a espécie exige solos de fertilidade média a boa, recomenda-se evitar locais com incidências de geadas, altitudes superiores a 1.600 m. e onde as deficiências hídricas sejam severas.

    Eucalyptus botryoides Sm   

    Ocorre naturalmente, na Austrália, no Litoral Sul do Estado de New South Wales e em Victoria, entre as latitudes de 32 a 39,5ºS e altitudes de 0 a 300m. A precipitação pluviométrica média anual varia de 625 a 1.000 mm, com chuvas uniformemente distribuídas durante o ano. Temperatura média das máximas do mês mais quente 23 a 28ºC, e das mínimas do mês mais frio 2 a 9ºC. Período seco normalmente não ultrapassa 2 a 3 meses. Intensidade de geadas desde 0 a 20 dias/ano.

    Na Austrália a espécie é considerada valiosa para o litoral, apresentando alta resistência à ventos. A madeira pode ser utilizada para: laminação , estruturas, dormentes , caixotaria, estacas e mourões . Em locais fora da Austrália a espécie apresenta susceptibilidade à geadas, e à deficiência hídrica.




    Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
    Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
    CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
    Reprodução permitida desde que citada a fonte.