Programa Cooperativo sobre Tecnologias LiDAR

Com incrível velocidade, novas tecnologias são incorporadas diariamente ao avanço das atividades humanas. Essas tecnologias têm enorme potencial de melhorar várias rotinas e procedimentos empregados pelos profissionais florestais no Brasil. É possível aprimorar substancialmente a tomada de decisão florestal, de melhorar as estimativas de estoque de produtos e serviços florestais disponíveis no campo e, consequentemente, de melhorar a nossa capacidade de projetar e de inferir sobre os recursos que administramos processando dados, em maior quantidade e melhor qualidade, a uma maior velocidade. A telemetria laser com LiDAR, a estereoscopia e a visão computacional são exemplos dessas tecnologias que, ao virtualizarem a realidade de campo com grande acuidade, ampliam enormemente a qualidade e a velocidade de monitorarmos vastas áreas florestais. Essas tecnologias, e outras similares, são o foco deste programa cooperativo e têm enorme potencial para modernizar e revolucionar os atuais métodos de medição e monitoramento florestal.

Quer seja em grande ou em pequena escala, essas tecnologias estão disponíveis e já podem ser adaptadas às nossas necessidades. Essa é a proposta deste programa cooperativo. Inovar a gestão florestal, de forma cooperativa e colaborativa, a partir de atividades coordenadas conjuntamente com profissionais de empresas associadas ao IPEF, para que cumpramos com maior eficácia e eficiência a nossa responsabilidade e nos mantenhamos competitivos nacional e internacionalmente.

O objetivo principal é a precisa quantificação e qualificação da biomassa florestal existente acima do solo através do uso do LiDAR (Light Detection And Ranging) aerotransportado. Serão desenvolvidos métodos para florestas plantadas e os resultados obtidos por esses métodos serão comparados com as estimativas de métodos convencionais visando determinar se houve ganho de eficiência e precisão.Os trabalhos de dimensionamento e a caracterização da fitomassa acima do solo em extensas áreas são demorados e caros e, se consideradas as técnicas atualmente utilizadas, têm custo diretamente proporcional ao nível de precisão exigido.

Os métodos atuais dependem de inventários baseados em técnicas amostrais onde parcelas são lançadas no campo para a medição indireta e para a estimação biométrica dos vários parâmetros que constituem essa biomassa, principalmente florestal. Como resultado, é recorrente a falta de regularidade, a baixa precisão e a limitada extensão desses levantamentos. A abordagem proposta promove uma mudança de paradigma significativa nos métodos convencionais de mensuração florestal, transferindo a posição do observador de dentro da floresta para um ponto acima da floresta.

O projeto testa como principal hipótese a questão de que grande parte da variação encontrada em parcelas amostrais no campo para as estimativas de biomassa e carbono na fitomassa florestal acima do solo é suficientemente capturada por métricas LiDAR associadas com a altura média do dossel, desde que consideradas as diferenças em densidade da madeira e aplicado um fator de correção área basal / altura média do dossel. Também será explorado o potencial de imagens de satélite produzirem mapas da cobertura florestal que associados com dados LiDAR permitirão avaliar a densidade da biomassa nesses diferentes tipos de vegetação, validada por parcelas no campo que calibrarão e validarão as estimativas LiDAR.




Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais
Via Comendador Pedro Morganti, 3500 - Bairro Monte Alegre
CEP: 13415-000 - Piracicaba, SP - Brasil
Reprodução permitida desde que citada a fonte.